De repente fica tudo preto de gente

2012

"A massa é um fenômeno tão enigmático quanto universal, que repentinamente se forma onde, antes, nada havia.Umas poucas pessoas se juntam - cinco, dez ou doze, no máximo. Nada foi anunciado; nada é aguardado. De repente fica tudo preto de gente."

 

Partindo do livro de Elias Canetti Massa e Poder (1960), Marcelo Evelin investiga a massa enquanto multidão de singularidades. Uma massa que quer crescer e investe na descarga como modo temporário de indistinção, num corpo-a-corpo sem violência e sem trégua. O espectador divide o espaço com os intérpretes, um buraco negro, horizonte de eventos para a massa que busca o ponto mais negro, o pretume, lá onde se está tão próximo do outro quanto de si mesmo.


Banhados de luz, 5 intérpretes de diferentes partes do mundo – Teresina, Kyoto, São Paulo, Ipatinga, Amsterdão -, com os corpos pintados de negro, tão exóticos quanto familiares, contorcem-se vigorosamente, movendo-se através do espaço como uma massa arfante imprevisível e rítmica. Somos todos iguais, sem raça ou género, pisamos o mesmo chão, sem um assento onde repousar. Todo o lugar é um lugar de encontro. Porquê e como se juntam as pessoas?

 

Uma obra desafiadora e poderosa que redefine radicalmente a relação entre performer e espectador.

https://www.demolitionincorporada.com/de-repente-fica-tudo-preto-de-gente

Circulação - Produção CAMPO

Projeto Brasil, apresentações pela Alemanha:

Mousonturm, Frankfurt  - Tanzhouse, Dusseldorf - Kampnagel/Tropicalypse Now, Hamburgo- Hellerau, Dresden

Jun/2016

Urbang Festival, Orange Theater, Colônia-Alemanha

out/2017

Israel Festival - Jerusalém, Israel

maio/2019